Quando pensa em acampar, qual a imagem que lhe surge na mente? Provavelmente associa a tendas montadas no chão, sacos-cama, desconforto, dores nas costas, higiene limitada, barulho constante e considera uma atividade para quem tem menos condições financeiras.

Esta imagem está prestes a mudar, venha comigo!

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Embora o foco deste artigo seja o campismo turístico, em que falamos de pessoas que viajam para conhecer outras localidades e ficam alojadas em parques de campismo, será importante referir que o campismo residencial é, também, uma prática comum. Tratam-se de pessoas que têm um aluguer anual ou permanente de um espaço num determinado parque de campismo, onde possuem uma tenda, uma caravana ou um contentor. Este espaço funciona como uma casa alugada que a pessoa utiliza quando quer e como quer ao longo do ano. Normalmente é usada em fins-de-semana e em períodos de férias, alternando com a sua residência habitual em períodos de trabalho/ aulas.

São inúmeras as razões que levam as pessoas a acampar em turismo. Normalmente é uma prática dos amantes da natureza, que gostam de liberdade de ações e privilegiam as conexões humanas. Nos parques de campismo o ambiente é modesto, de partilha, harmonia, liberdade e respeito. As crianças correm livremente com outras que acabaram de conhecer, os adultos partilham experiências e histórias de vida, todos vivem em comunidade e em comunhão com a natureza, saboreando a cantiga dos pássaros, apreciando o canto da coruja, observando a lagartixa, abraçando a árvore, sentindo a brisa suave, enfim, experimentando a força da Natureza! 

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Outra das vantagens de acampar é o fator financeiro. Normalmente, acampar é menos dispendioso do que ficar alojado num hotel de quatro estrelas, por exemplo. Não obstante, os parques de campismo garantem as condições necessárias à higiene e à segurança dos seus utentes, mas, ainda assim, para quem gosta mais de privacidade e de maiores comodidades, esta opção não era a mais indicada. Mas isso era no passado!  

Nos últimos anos, o conceito de campismo tem vindo a alterar-se drasticamente. As ofertas são muito variadas e apostam na qualidade e na diferenciação. Termos como glamping, por exemplo, já não se podem dissociar do campismo e têm cada vez mais adeptos. O glamping é, no fundo, o campismo de luxo. Há quem considere que estas práticas são contraproducentes, porque vão contra o conceito original do campismo, mas, na realidade, não é bem assim. O contacto com a natureza, a proximidade das relações humanas e a liberdade de ações estão tão presentes como nos primórdios do campismo. As condições ao nível do conforto e da higiene é que foram amplamente melhoradas e transformaram esta prática numa atividade glamorosa e cada vez mais atrativa. O caravanismo, os bungalows ou os chalés de madeira também são opções muito interessantes e que permitem diversificar a oferta de campismo.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Se nunca ouviu falar nestas novas práticas, deixo-lhe (apenas) alguns sites de locais de referência em Portugal, para ter uma ideia do que se trata: 

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Falar de campismo também é falar de preservação e boas práticas associadas à natureza.

Eis algumas práticas ecológicas associadas ao turismo de natureza e que, no campismo, têm que estar sempre presentes:

  1. Recolha sempre o seu lixo: se estiver numa área selvagem guarde o seu lixo até chegar a uma zona onde possa colocá-lo em local apropriado, fazendo a normal separação do lixo;
  2. Evite fazer fogueiras: dado o perigo que constituem, deve evitar fazer fogueiras, mas se fizer mesmo questão, faça-o nos locais autorizados e tendo muito cuidado com as condições de segurança, para que o fogo não se alastre, mantendo uma fogueira de pequenas dimensões, facilmente controlável;
  3. Atenção à utilização de produtos nocivos: detergentes, fertilizantes ou cloro – evite usá-los para limpeza – prefira o sabão comum, pois não é tão prejudicial à natureza;
  4. Faça silêncio: quer seja dentro do parque de campismo, quer seja nas redondezas, o silêncio deve ser sempre privilegiado, de modo a não perturbar os outros utentes nem os animais, especialmente em locais de abrigo ou reprodução;
  5. Não toque, não dê, não traga: a observação dos animais ou plantas deve fazer-se à distância, com o material adequado ao efeito, sem esquecer que não deve dar alimentos aos animais nem trazer recordações como plantas, fosséis ou, mesmo, animais;
  6. Respeite a sinalização: sempre que encontrar sinalização na natureza, respeite-a, pois ela está lá por um motivo e deve tê-la em consideração;
  7. Atente ao seu animal de estimação: o seu animal de estimação pode e deve viajar consigo, mas deve, no entanto, estar sempre atento, para garantir que este não constitui uma ameaça para as pessoas e para os outros animais; além disso, deve recolher sempre as suas fezes e depositá-las no lixo;
  8. Percorra os trilhos traçados: evite danificar a natureza ao passar por cima dos ecossistemas; se já existe um caminho, vá por aí;
  9. Pratique a gentileza: envolva-se com a comunidade local, aproveite para aprender algo com eles e seja sempre cordial; o mesmo é válido para outros visitantes que também pode aproveitar para conhecer e fazer novas amizades;
  10. Seja responsável: se vai sair para a natureza tome conta da sua segurança! Informe sempre algum familiar ou amigo, garanta que o faz na luz do dia, siga a sinalização, evite colocar-se em situações de perigo, leve consigo o material básico de segurança como lanterna, canivete suíço, lona de cor forte, caixa de primeiros socorros e outros que considere necessários. Nunca arrisque!

Assim sendo, e respondendo à pergunta do título deste artigo, não pode haver outra resposta: sim, acampar é um prazer desde que o faça de forma responsável e se coadune com as suas formas de estar, de ser e de viver! Felizmente há ofertas e espaço para todos neste mundo do turismo!

E você, costuma fazer campismo?

Já tinha ouvido falar destas novas modalidades?

Considera-se um campista responsável?

Para si acampar é um prazer?

Conte-me tudo, vou gostar de saber! Partilhe a sua opinião, experiência ou dúvida!

—– Artigo originalmente publicado no Linkedin. —–

Partilhar é cuidar!

shares
Don`t copy text!