O Turismo é uma atividade feita de Pessoas que trabalham com Pessoas, para Pessoas. Então, acarreta muitas complexidades do ponto de vista social e não só.  

Foi nos anos 90 que a ética começou a assumir particular relevância para o Turismo, com dois grandes debates sobre a matéria:

  • O Congresso AIEST (International Association of Scientific Experts in Tourism), em Paris, em 1992: sugeriu a criação de uma comissão de resolução dos problemas da ética no turismo;
  • O Rio Earth Summit, em 1992: incentivar o seguimento de boas práticas ambientais, defendendo os princípios da Agenda 21.

Em outubro de 1999, a Assembleia Geral da Organização Mundial de Turismo (OMT) criou o Código Mundial de Ética do Turismo, sendo este reconhecido pela Organização das Nações Unidas (ONU). Posteriormente, foi adotado a nível internacional.

Trata-se, no fundo, de um quadro de referência para o desenvolvimento responsável e sustentável do Turismo mundial. Tem o objetivo de envolver todos os stakeholders da indústria turística e incentivá-los a promover um turismo responsável com benefícios para o indivíduo e para a sociedade. Mas vai além disso, já que se destina a absolutamente todos os intervenientes: governos, indústria de viagens, comunidades e turistas.

O Código Mundial de Ética do Turismo apoia-se em alguns documentos-base, tais como:

  • a Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948);
  • a Convenção para o Património Mundial, Cultural e Natural (1972);
  • o Pacto Internacional dos Direitos Civis e Políticos (1976);
  • a Declaração de Manila sobre o Turismo Mundial (1980);
  • a Carta do Turismo e Código do Turista (1985);
  • a Convenção sobre os Direitos da Criança (1989);
  • a Declaração de Seul para a Paz no Contexto do Turismo (2000).

Os 10 Princípios do Código Mundial de Ética do Turismo são:

  1. Contribuição do Turismo para a compreensão e respeito mútuo entre homens e sociedades;
  2. O Turismo, vetor de desenvolvimento individual e coletivo;
  3. O Turismo, fator de desenvolvimento sustentável;
  4. O Turismo, utilizador do património cultural da humanidade e contribuindo para o seu enriquecimento;
  5. O Turismo, atividade benéfica para os países e comunidades de acolhimento;
  6. Obrigações dos atores do desenvolvimento turístico;
  7. Direito ao Turismo;
  8. Liberdade das deslocações turísticas;
  9. Direito dos trabalhadores e dos empresários da indústria turística;
  10. Aplicação dos princípios do Código Mundial de Ética do Turismo.  

Se quiser consultar o documento na íntegra e analisar com mais detalhe cada um dos seus princípios, basta descarregá-lo abaixo.

E você, tinha a noção das questões éticas que têm vindo a nortear a atividade turística?

Conte-me tudo, vou gostar de saber!

Partilhar é cuidar!

shares
Don`t copy text!